Passar para o Conteúdo Principal
Facebook Instagram Twitter Youtube Linkedin RSS
Logotipo CM Arcos de Valdevez
Viver

Reabilitação do Espaço Público do Centro Histórico - 3ª FASE (RUA FÉLIX ALVES PEREIRA / ARCOS DE VALDEVEZ

Designação do projeto | Reabilitação do Espaço Público do Centro Histórico - 3ª Fase (Rua Félix Alves Pereira / Arcos de Valdevez

Código do projeto | NORTE-04-2316-FEDER-000352

Objetivo principal | preservar e proteger o ambiente e promover a eficiência energética

Região da Intervenção | NUT III Minho-Lima

Entidade Beneficiária | Município de Arcos de Valdevez

Data de aprovação | 23/01/2020

Data de início | 29/11/2019

Data de conclusão | 30/04/2020

Custo total elegível | 162.567,13 EUR

Apoio financeiro da União Europeia Total | FEDER – 138.182,06 EUR

Apoio financeiro público nacional/regional | 24.385,07 EUR

Objetivos, atividades e resultados esperados/atingidos A ação de “REABILITAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO DO CENTRO HISTÓRICO - 3ª FASE (RUA FÉLIX ALVES PEREIRA / ARCOS DE VALDEVEZ”, vem de encontro à proposta de reabilitação urbana para Arcos de Valdevez que aposta numa diferenciação urbana contextualizada no Parque Nacional da Peneda – Gerês. 1. Em termos de reabilitação urbana pretende-se seguir as orientações do eco-urbanismo: - Num projeto urbano que pressupõe uma leitura da paisagem histórica que incorpora tanto uma compreensão da natureza como da cultura (na sua interação). Logo, uma integração positiva, entre o urbano e a natureza, com um desenho urbanístico com orientação ecológica (Plano Verde). 2. Em termos de recursos culturais e da história da ciência, merece referência o papel e a singularidade do Padre Himalaia, sobretudo pelo seu carácter inventivo, o seu reconhecimento internacional e a sua atenção especial pelas ciências da natureza (energia, nomeadamente) e agrárias. Com base nestes recursos diferenciadores a estratégia urbana vai passar pelo reforço da Cultura de Inovação em prol da atratividade dos jovens. 3. Em termos de modernização da base económica de comércio e de serviços e de estímulo à inovação deve-se reforçar os negócios nomeadamente em torno do Turismo, da Natureza e da Cultura. 4. Simultaneamente, pretende-se construir uma urbanidade que favoreça a sociabilidade, onde os espaços públicos induzem à convivência e fruição urbana e á mobilidade pedonal. Dados os elevados níveis de envelhecimento da população, a intervenção urbanística na ARU integrará também essa preocupação, em prol de um eco-urbanismo socialmente mais inclusivo.

 

Top