Passar para o Conteúdo Principal
Facebook Instagram Twitter Youtube Linkedin RSS
Logotipo CM Arcos de Valdevez

Filme do Desassossego

Filme do Desassossego
image title
15 Outubro 2010

João Botelho, realizador de renome, anda em digressão pelo país a mostrar o seu mais recente "Filme do Desassossego". Um trabalho que se trata de uma adaptação d' "O Livro do Desassossego", escrito por Bernardo Soares, um dos heterónimos de Fernando Pessoa, e no qual o realizador quis preservar a palavra original. O fio narrativo do filme concentra-se em três dias e três noites e conta com cerca de quarenta actores em curtas participações, como Rita Blanco, Alexandra Lencastre, Miguel Guilherme, Catarina Wallenstein, Laura Soveral, Margarida Vilanova, Ricardo Aibéo, Manuel João Vieira e Marcelo Urghege. O actor Cláudio da Silva é o protagonista do filme, interpretando Bernardo Soares, o ajudante de guarda-livros que, entre desabafos, lamentos e constatações, vai revelando os pensamentos fragmentados do seu desassossego.

Depois de Porto e Lisboa, foi a vez de Arcos de Valdevez receber na passada terça-feira, 12 de Outubro, o realizador no auditório da Casa das Artes concelhia, para duas exibições. Uma, durante o dia, para a população escolar e outra à noite, para o público em geral.

Segundo o próprio, a ideia desta tour, que quer levar a locais de Norte a Sul do País e Ilhas, "foi fazer um bocadinho de serviço público, fora dos Centro Comerciais", porque "há filmes que não são compatíveis com esses locais, e, este é um deles. Neste tipo de salas existe uma celebração do cinema que não existe nos Shoppings. Trata-se de um trabalho baseado num dos textos mais importantes da literatura portuguesa e quero respeitá-lo, além de que as pessoas precisam de saber que existem várias formas de fazer cinema. A ideia é ouvir um texto", afirmou.

Referindo que com "O Filme do Desassossego" abriu um caminho no meio cinematográfico e que mudou as regras do jogo, com ele espera levar à descoberta e à conversação, causando a inquietação que na sua opinião o cinema deve originar.

Já quando questionado sobre a receptividade por parte do público em relação ao seu filme, João Botelho avançou que as "pessoas correm para vê-lo" e "em meia dúzia de dias já tive mais espectadores do que em alguns anos".

"Este é um filme para quem gosta de ler e que só pode ser feito no Teatro ou no Cinema. Como eu faço Cinema, fiz um filme. Garanto que ele é bonito, não que ele seja bom", concluiu em tom de brincadeira.

João Botelho não pára e já se está a preparar para realizar, futuramente, uma Ópera, alguns documentários, três curtas-metragens e ainda um musical sobre Fado.

Município de Arcos de Valdevez
Top