Passar para o Conteúdo Principal
Facebook Instagram Twitter Youtube Linkedin RSS
Logotipo CM Arcos de Valdevez

XX Feira do Livro de Arcos de Valdevez

XX Feira do Livro de Arcos de Valdevez
image title
image title
image title
image title
image title
23 Julho 2010

A Feira do livro de Arcos de Valdevez já conta com dois dias passados, tendo o de ontem (22 de Julho) ficado marcado pela apresentação do livro "Estrelas sem Brilho", do arcuense Victor Fernandes, e pelas actuações fantásticas de música e dança realizadas pela Associação Desportiva e Cultural Aboim/Sabadim e Associação Social e Recreativa Juventude de Vilafonche. Iniciativas que contaram com uma plateia recheada de familiares, amigos e curiosos.

"Estrelas sem Brilho", a primeira obra editada por Victor Fernandes é o espelho da sua vida em Arcos de Valdevez, terra onde nasceu, e França, país para onde emigrou em 1970 e onde reside há quatro décadas. Nos seus poemas refere momentos da vida íntima, como a morte dos seus quatro filhos ("as estrelas sem brilho"), a paixão pelo teatro, pela música e associativismo.

De destacar que a capa da obra é um desenho feito pelo seu filho mais novo, Jérémie, quando tinha 5 anos -filho a quem dedica este livro por ter sido com o seu desaparecimento que ganhou coragem para o fazer. "Eu nunca na vida pensei vir a editar um livro e só ganhei coragem para o fazer devido à falta do meu filho Jérémie, falando nele e em todos os mais próximos que até hoje, infelizmente, perdi", adiantou.

Foi com grande humildade que o autor fez a apresentação da sua obra, tendo referido logo de imediato, e em tom de brincadeira, que "isto na minha linguagem é um biscate e não tenho jeito para o fazer".

Como usa a poesia para relatar a sua vida, Victor Fernandes em jeito de contextualização da obra, fez referências a algumas passagens biográficas da sua vida como o facto de, apesar de ter nascido em S. Paio da Vila, ter ido morar com quatro anos para o "típico bairro da Valeta"; da sua mãe ter sido vítima do acidente rodoviário do Castelo, em 1958, quando ele tinha menos de doze anos; de ter ingressado ainda muito jovem no Rancho Folclórico de S. Paio, como tocador de viola, a morte dos seus quatro filhos, assim como a emigração para França em Março de 1970.

De fora não ficaram os agradecimentos à sua família e amigos, à Câmara Municipal na pessoa do Presidente da Câmara, Francisco Araújo, ao Vereador da Cultura, Pedro Teixeira e ao director da Casa das Artes, Nuno Soares, pelo apoio dado na concretização deste seu sonho.

Nuno Soares, director da Casa das Artes concelhia, fez questão de proferir palavras apreço a este autor "que tem distribuído a sua vida por esta terra e além fronteiras" o que "dá ainda uma maior dimensão ao seu trabalho e esforço". "É de louvar o trabalho de pessoas que elevam a cultura e trabalham na memória", referiu.

Dando conta de que este foi um momento muito especial para o autor, concluiu: "quero pedir-lhe que continue a escrever e a manifestar a sua identidade cultural".

Esta apresentação ainda ficou pautada pelas declamações de alguns poemas do seu livro, nomeadamente, "Estrelas sem Brilho", "Duas Vidas", "Recordar Luanda" e "Saudade, pela amiga Tânia Barbosa e pelo seu irmão José Manuel Fernandes.

As actividades da Feira do Livro prosseguem hoje, 23 de Julho, com a apresentação da obra "Mataram o Sidónio!", da autoria de Francisco Moita Flores, pelas 21h30, e com a actuação musical "Trio Pagú", cerca das 22h30.

Município de Arcos de Valdevez
Top