Passar para o Conteúdo Principal
Facebook Instagram Twitter Google Youtube Linkedin RSS
Logotipo CM Arcos de Valdevez

Parque Nacional Peneda-Gerês

O Parque Nacional da Peneda-Gerês foi criado em 1971, com a ambição de proteger cerca de setenta mil hectares de um território único. Dos vales férteis às agruras rochosa, dos ribeiros murmurantes às cascatas de água brancas, das encostas suaves e arborizadas às falésias com dezenas de metros de vertical onde apenas as urzes e os matos rasteiros subsistem – embelezados por vezes pelo lírio-do-Gerês – subindo dos 150 metros acima do nível do mar para os mais de 1.500 metros de altitude, o território do Parque é de uma diversidade e riqueza sem rivais.

O terreno é principalmente granítico, com raras zonas xistosas, o que lhe confere uma dureza de aspecto e de trato muito sugestivas. As gentes que habitam esta região de há milénios, adaptaram-se a esta paisagem agreste, mas não raro generosa, para apascentar gados e amanhar terras. Os lameiros e os vales são zonas de agricultura fértil, os planaltos montanhosos são pastos abundantes. Não é pois de estranhar que a economia agro-pastoril de subsistência tenha perdurado até bem perto da contemporaneidade.

A reserva da Biosfera inclui os territórios do Parque Nacional da Peneda-Gerês, do Parque Natural da Baixa Limia-Serra do Xurés e concelhos abrangidos de ambos os lados da fronteira.Território caracterizado pelas serras e planaltos galaico-portugueses e por uma densa rede de linhas de água, de onde se destaca o amplo vale do rio Lima. A orografia, a altitude, as características geológicas e a grande disponibilidade de água, dão lugar a habitats de grande riqueza florística, de onde se destacam formações de matos, de floresta, charnecas e pântanos. Regista-se a presença de 117 espécies endémicas da Península Ibérica e de 2 exclusivas desta área. Na fauna, destacam-se 204 espécies protegidas a nível nacional e/ou internacional e 71 espécies com estatuto de ameaça.

O património histórico inclui uma variedade de representações da ocupação neolítica, uma representação importante da ocupação romana e numerosos exemplos de arquitetura medieval. Curiosos povoados, arquitetura em socalcos, paradas de espigueiros, prados de lima, entre outros, revelam uma engenhosa adaptação dos habitantes às características do meio.“O elevado valor do património natural, a diversidade e beleza paisagísticas, as características topográficas de montanha e as condições climatéricas conferem à região um forte potencial turístico.

Reúne as condições favoráveis ao desenvolvimento de actividades económicas relacionadas com os recursos endógenos, nomeadamente a agricultura, a pecuária e o turismo de natureza potenciando a promoção de um desenvolvimento sustentável”.

 

MORADA
Top